zenah_mastologia

Entendendo as Doenças Benignas da mama

As doenças benignas da mama compreendem um largo espectro de alterações da glândula mamária, que preocupam as mulheres e as obrigam a um diagnóstico correto. São bem mais frequentes do que o câncer de mama. Vamos nomear algumas delas.

Alterações Funcionais Benignas da Mama

Termo atualmente utilizado para substituir o que até pouco tempo se denominava “displasia mamária”, ou “doença fibrocística”, ou, ainda, “mastopatia fibrocística”. Estes termos caíram em desuso, pois se concluiu que não se trata de uma doença, mas sim de desordens fisiológicas do desenvolvimento e da involução da mama. Clinicamente se manifesta por meio de dor mamária (mastalgia), adensamentos e cistos mamários. Não existe correlação com o câncer de mama, ou seja, não aumenta o risco de desenvolver o câncer.

Mastalgia

Queixa muito comum nos consultórios de mastologia. É o sintoma mamário mais frequente, presente em torno de 50% das mulheres entre a puberdade e a menopausa. Lembrando que é um sintoma e não uma doença. Existe uma forma de mastalgia que todas as mulheres experimentam ao longo da vida, denominada de cíclica, e se refere aquele desconforto nos 3-4 dias que antecedem a menstruação. Esta, depende da ação dos hormônios ovarianos sobre a mama, tornando-a túrgida e dolorida, principalmente no período pré-menstrual e que pode ainda ser agravada pela ingestão exagerada de cafeína (café, chá mate, chocolate).

Em geral a conduta básica é explicar que a dor representa o exagero de um processo fisiológico e não está relacionada ao processo maligno ou lesão precursora, além de não elevar o risco para o câncer mamário. Desta forma, a mulher passa a encarar com naturalidade o sintoma, tornando-o suportável, permitindo que a dor não mais interfira na qualidade de vida, ou até mesmo que a paciente não tenha mais a percepção da dor.

Existem outras formas de mastalgias como acíclica, que não está vinculada com o período menstrual. Em geral costuma ser localizada, podendo ser contínua ou acontecer ao acaso. Usualmente é tratada com analgésicos comuns.

Existe ainda a mastalgia de origem não mamária, ou seja, dor na região da mama, mas de origem em outro órgão ou estrutura. Esta patologia é muito comum, porém pouco diagnosticada. Costuma aliviar com o uso de analgésicos e anti-inflamatórios não esteroides.

Cistos

Uma alteração funcional bastante comum são os cistos mamários. Na grande maioria dos casos, o cisto mamário simples é uma alteração benigna e consiste no acúmulo de líquido, ocasionando maior sensibilidade ou provocando dor localizada, sem qualquer outra repercussão.

A maioria dos cistos é pequena (microcistos), surgem próximos do período menstrual e tornam as mamas doloridas. Em geral não são palpáveis e podem ser detectados pela ultrassonografia. Quase sempre são múltiplos, não representam problema clínico e não precisam receber qualquer atenção específica. Os cistos maiores do que 2 cm são facilmente palpáveis, crescem rapidamente e ocasionam desconforto e dor. Possuem consistência amolecida e podem atingir grandes volumes, muitas fezes sendo necessária a punção para alívio da dor.

Nódulos

A queixa de tumoração palpável da mama pode ter inúmeras causas. As mais comuns estão associadas a alterações fibrocísticas que geralmente são transitórias associadas ao ciclo menstrual.

Dentre os nódulos realmente existentes, as causas mais comuns são os fibroadenomas são estruturas sólidas, que podem ocorrer geralmente na 2ª e 3ª décadas de vida que não causa dor ou incômodo.

Geralmente, não passam de 2 cm de diâmetro. Na maioria dos casos, não necessita de tratamento específico, desaparecendo após a menopausa. A causa exata dos fibroadenomas não é conhecida.

Diagnóstico

O médico faz um exame físico, com palpação dos seios (exame manual). Ele também pode solicitar exames de ultrassom ou uma mamografia.

Se houver qualquer alteração no tamanho ou na forma de um fibroadenoma existente, ou exacerbação dos sintomas de AFBM deve-se entrar em contato com o médico imediatamente para orientações e melhor condução do caso.